Toda vez que o padre viajava, o papagaio aproveitava para ligar para a sua família no Amazonas. E ficava horas e horas pendurado no telefone. Até que um dia, o padre teve de voltar antes do esperado e pegou o bicho no flagra.
– Agora eu entendi porque quando viajo a conta telefônica vem tão cara!
– Currupaco! Currupaco! – fez o papagaio. – Não briga comigo não! Juro que não faço mais isso!
– Eu tenho certeza de que não vai mais fazer – ponderou o padre, – depois do castigo que eu vou lhe dar.
E pegando dois pregos enormes, pregou o bichinho na parede com as asas abertas.
– Pronto! Vai ficar aí durante uma semana pra aprender a se comportar.
O papagaio ralhou por algumas horas, mas depois se conformou. Afinal, uma semana não era tanto tempo. Nisso, percebeu que ao seu lado havia um crucifixo.
– Ei, cara! – disse, voltando-se para o crucifixo. – Há quanto tempo você está pregado aí?
Ao que Jesus respondeu:
– Há dois mil e seis anos!
– Puta que o pariu! – surpreendeu-se o papagaio. – Você ligou pra onde?