A loira exibia na praia suas formas exuberantes, adquiridas nas cinco horas diárias de malhação e duas de bronzeamento, quando um pingüim – daqueles que de vez em quando se perdem na Patagônia – vem do mar em sua direção.
A moça se espanta, chega perto pra ver e continua a desfilar suas formas. O problema é que o pingüim, por alguma razão (muito fácil de entender se fosse homem) começou a seguir a gostosa pela praia toda.
Sem graça, já que a dupla chamava muito a atenção, a loira vestiu suas roupas e seguiu pelo calçadão a caminho de casa. E o pingüim firme, atrás.
Lá pelas tantas ela passa por um posto policial. O guarda estranha e fala pra ela:
– Moça, não é por nada não… Mas tem um pingüim aí te seguindo!
– Eu sei, seu guarda! – responde a loira, aflita – e eu não tenho a menor idéia do que fazer com ele!
O policial então sugere:
– Ora, moça, leve a um zoológico!
– Boa idéia! – disse a loira – vou fazer isso agora mesmo!
A moça vai embora e, no dia seguinte, o mesmo guarda está no posto policial quando a vê passar de novo… com o mesmo pingüim andando atrás!
– Ué, moça… – espantou-se o guarda – Você não disse que o levaria ontem mesmo ao zoológico!
– Eu levei! – responde a loira – E ele adorou! Hoje vou levá-lo ao cinema!