Após concluir seu longo curso de direito, a loira abre seu escritório e, no primeiro dia de serviço, alguém bate à sua porta. Para marcar aquela presença, a jovem advogada pega o telefone e pede para a pessoa entrar e esperar.
Fica uns trinta minutos fingindo uma conversa: – Sim, claro! Eu não perco uma causa! Esta está muito fácil… Com certeza, no próximo julgamento o juiz nos dará sentença favorável. Venceremos! Quando desligou, após uma longa conversa”, pergunta toda educada:
– Pois não, cavalheiro, em que posso ajudá-lo?
E o homem responde:
– Sou da Telefônica, vim instalar sua linha.