O ceguinho andava “a perigo” e clamava:
– Arruma uma mulher pro ceguinho, arruma.
Seu amigo carioca ouviu as súplicas e, tocado pela profunda necessidade do ceguinho, disse que iria arrumar uma mulher para ele. O ceguinho foi pro seu quarto e ficou esperando. Logo bateram na porta.
– Quem é?
– É a Sueli. Vim resolver seu problema.
O ceguinho todo entusiasmado abre a porta. A mulher senta-se na cama, e ele:
– Como é que você está vestida ? hein? hein? hein?
– Botinha de couro, vestido justo e uma blusinha de seda. Nada por baixo!
– Ahhh – suspira o ceguinho – é hoje! Tira a botinha, tira!.
– Como é que você está agora?
– Descalça, deitada na cama!
– Ai meu Deus! É hoje! Vai dar esquema! Tira a blusinha, tira.
– Como você está agora?
– De seios nus, só de sainha.
– Tira a saia. Tira a saia, pelo amor de Deus! E agora? E agora?
– Estou nua, deitada na cama, te esperando meu garanhão prejudicado oticamente. (a Sueli, como se percebe, era adepta do politicamente correto!).
– Ai que tesão! É agora, meu Deus! Sueli, você já fez 69?
– Ainda não. Faço amanhã.