Numa cidadezinha perdida, lá no interior de Minas, tinha um padre e um sacristão que eram muito safados. Um contava mais vantagem que o outro, dizendo que não deixava escapar um rabo de saia. O padre falou:
– Aposto que comi mais mulher do que você!
E o sacristão:
– Tá apostado! Vai ver que a minha lista é maior!
Então o padre propõe:
– Vamos fazer o seguinte: domingo, depois da missa, a gente fica ali na porta da igreja. Toda mulher que a gente já tiver traçado, a gente fala “ave” quando ela passar, tá?
O sacristão topou, e lá estão os dois, no domingo, na porta da igreja.
Passa a mulher do farmacêutico:
– Ave! – diz o padre.
– Ave! – diz o sacristão.
Quando sai a mulher do prefeito:
– Ave! – diz um.
– Ave! – diz o outro.
Passa a diretora da escola:
– Ave! – diz o padre.
– Ave! – repete o sacristão.
E passou a mulherada toda, enquanto os dois diziam “ave” sem parar. Continuavam empatados.
– É… estou vendo que nós dois somos o máximo! – comenta o padre.
– E continuamos empatados, traçamos todo o mundo! – diz o sacristão.
– Isso, mesmo! Nesta cidade, tirando a minha mãe e a minha irmã… – diz o padre.
E o sacristão:
– Ave! Ave!