O Tribunal de Justiça recebeu o seguinte requerimento:
Esmeraldas, 5 de março de 2006.
Eu, Maria José Pau, gostaria de saber da possibilidade de se abolir o
sobrenome Pau de meu nome, já que a presença do Pau me tem deixado
embaraçada em várias situações.
Desde já antecipo agradecimento e peço deferimento.
Maria José Pau.
Em resposta, o Tribunal lhe enviou a seguinte mensagem padrão:
Cara Senhora Pau,
Sobre sua solicitação de remoção do Pau, gostaríamos de lhe dizer
que a nova legislação permite a retirada do seu Pau, mas o processo
é complicado.
Se o Pau tiver sido adquirido após o casamento, a retirada é mais
fácil, pois, afinal de contas, ninguém é obrigado a usar o Pau do
marido se não quiser.
Se o Pau for de seu pai, se torna mais difícil, pois o Pau a que nos
referimos é de família e vem sendo usado por várias gerações.
Se a senhora tiver irmãos ou irmãs, a retirada do Pau a tornaria
diferente do resto da família.
Cortar o Pau de seu pai pode ser algo que vá chateá-lo.
Outro problema, porém, está no fato de seu nome conter apenas nomes
próprios, e poderá ficar esquisito caso não haja nada para colocar
no lugar do Pau.
Isso sem falar que, caso tenha sido adquirido com o casamento, as demais
pessoas estranharão muito ao saber que a senhora não possui mais o Pau
de seu marido.
Uma opção viável seria a troca da ordem dos nomes.
Se a senhora colocar o Pau atrás da Maria e na frente do José, o Pau
pode ser escondido, porque a senhora poderia assinar o seu nome como
Maria P. José.
Nossa opinião é a de que esse preconceito contra este nome já acabou
há muito tempo e que, já que a senhora já usou o Pau do seu marido
por tanto tempo, não custa nada usá-lo um pouco mais.
Eu mesmo possuo Pinto, sempre o usei e muito poucas vezes o Pinto me
causou embaraços.
Atenciosamente,
Desembargador H. Romeu Pinto C. Bento
– Tribunal de Justiça – Brasília/DF