Depois de criar o mundo em seis dias, Deus tomava uma água de coco em uma rede no seu merecido descanso sabatino, até que foi incomodado por uma de suas criaturas:
— Pô, Deus! — gritou a girafa — Que pescoço ridículo é esse que você colocou em mim? Você tá de sacanagem?
— Você não! — advertiu Deus — SENHOR! E eu não estou de sacanagem! O seu pescoço tem muitas utilidades, Girafa!
— Com ele, além de você poder comer as folhas mais tenras, do alto das árvores, vai poder perceber a aproximação do inimigo antes dos outros animais e assim se defender!
A girafa se convenceu e saiu desfilando com o seu lindo pescoço, satisfeita.
Logo depois, entrou o Elefante, furioso:
— Eu protesto, merentíssimo!
— Pera lá! — interviu Deus — Você tá pensando que isso aqui é o quê? Tribunal?
— Deus, fala sério! Eu sou enorme de gordo e tenho essa tromba no meio da cara! Você tava estressado quando me criou?
— Calma, Elefante! Com esse tamanho todo, nem o Leão, que é o rei da selva, terá coragem de te enfrentar e graças a essa tromba, você é o único animal que pode tomar banho de chuveirinho!
Então o Elefante pensou um pouco, se acalmou e saiu de tromba erguida, todo orgulhoso.
Deus achou que estava livre de reclamações, mas viu a galinha chegando, cacarejando de raiva:
— Deus, eu não quero saber de desculpas esfarrapadas! Ou você diminui o tamanho do meu ovo, ou aumenta o tamanho do meu cu!