Um sujeito bate à porta de uma distinta senhora.
— Bom dia, a senhora tem filhos?
— Não senhor.
— Tem cachorro ou gato?
— Não senhor.
— Tem rádio ou auto-falante potente?
— Também não.
— Toca algum instrumento?
— Não… Mas será que eu posso saber por que tantas perguntas? O senhor é fiscal? Trabalha no CENSO de ridículo?
— Não, minha senhora. É que eu estou interessado em comprar a casa ao lado!