Depois de alguns anos no Brasil, Joaquim estava passando por sérios problemas financeiros e resolveu partir para o mundo imundo do crime.
Depois de algum tempo de planejamento, ele foi até o Parque do Ibirapuera, agarrou um garotinho e falou:
— Isto é um seqüestro! Pegue este bilhete e entregue para o seu pai!
O bilhete dizia “Seqüestrei seu filho! Deixe dez mil reais amanhã, atrás da moita da praça central. Ass: Joaquim”.
No dia seguinte, o seqüestrador português foi até a praça central e encontrou o dinheiro, acompanhado de um bilhete: “Aqui está o seu dinheiro. Mas não posso acreditar que um português possa fazer isto com outro. Ass: Manoel”