Passando pela alfândega mexicana, o brasileiro é barrado:
— Tu estás contrabandeando tequila?
— Eu? — pergunta o brasileiro, se fingindo de desentendido.
— Claro que não!
— Então os mexicanos abrem as malas e encontram várias garrafas.
— É água benta! — se defende o brasileiro — Água benta do santuário da Virgem de Guadalupe!
O mexicano abre uma das garrafas, cheira e grita:
— És tequila!
— Aleluia! — diz o brasileiro, erguendo as mãos pro céu.
— Mais um milagre!