Reuniram-se em uma cabine de trem: um padre católico,
um aitolá e um rabino.
Estabeleceu-se, então, uma discussão sobre qual
divindade seria a mais poderosa, se o Deus dos
Católicos, Alá ou Jeová.
O padre católico, argumentando ser Deus realmente
a fonte do poder, relatou fato verídico que lhe
tinha acontecido:
– Certa vez estava no mar, remando em uma pequena
embarcação quando subitamente aproximou-se um tufão.
Ajoelhei-me, baixei a cabeça e rezei com toda a fé.
Quando ergui os olhos havia tufão por todo o mar,
menos no lugar onde estava meu barquinho.
Todos se impressionaram, mas o aitolá tinha história
semelhante e mais surpreendente:
– Estava no deserto com meu camelo quando, de súbito,
levantou-se uma tempestade de areia daquelas de
soterrar oásis. Encostei a testa no chão e clamei
pela proteção de Alá. Quando ergui os olhos havia
tempestade de areia por todo o deserto, menos onde
estava com meu camelo.
Mas o Rabino tinha a prova de que maior era o poder de
Jeová.
– Estava passeando em uma bela manhã de sábado quando,
de súbito, vislumbrei no chão um maço de notas de cem
reais. Fechei os olhos e entei orações à Jeová, com
toda a fé. Quando reabri os olhos vi que era sábado
por toda a cidade, mas, no lugar em que estava,
ele e o maço de dinheiro, era terça-feira.