Um fabricante de móveis alentejano (natural de uma região de Portugal que é vítima de piadinhas até dos próprios portugueses) faz uma viagem de negócios à Suécia.
À noite, ele decide ir a um bar. Lá encontra uma sueca maravilhosa, encostada no balcão.
Ele se aproxima dela e, como nenhum dos dois fala ou entende a língua do outro, recorrem aos desenhos para se comunicar.
No papel, ele rabisca um copo com bebida e cubos de gelo. Ela aceita e os dois tomam drinques.
A música está convidativa. Ele desenha duas pessoas dançando. Ela aceita novamente. Os dois dançam até cansar, então voltam ao balcão.
Então ela pega o papel e a caneta e desenha um guarda-roupa, uma mesinha-de-cabeceira e uma cama.
Olhando o desenho, o rosto do alentejano se ilumina.
— Exatamente! — exclama ele, eufórico — Eu sou fabricante de móveis!