O Manuel presenteia a filha moça com um casaco de pele de raposa.
Satisfeitíssima, ela afaga o presente com as mãos comentando:
– Como pode uma coisa tão maravilhosa vir de um animal tão pequeno, sem aparência, totalmente insignificante…
– Alto lá! Se tu não queres me agradecer, vá lá. Mas também não precisa ofender!