Um caipira recém-chegado a São Paulo, encontra-se às duas da tarde na av. paulista para atravessar no sinal. Ao ver aquele mundarel de carros, o caipira fica desesperado e não atravessa de jeito nenhum. O guarda notando o aperto do cara pergunta:
– Tá querendo atravessar?
– Tô sim sinhô. Responde o caipira.
– São 10 pratas, diz o guarda.
– Nossa! Quero não! É muito caro! – diz o caipira. E continuou por ali, naquele vai-não-vai. Lá pelas cinco da tarde aparece uma dessas meninas com pouca roupa e muito charme, que trabalham por ali. O caipira ao ver aquele mulherão rebolando pra lá e pra cá, ficou deslumbrado e não tirava os olhos da moça. Notando o interesse dele, ela pergunta:
– Vai?
– Quanto é? – pergunta ele.
– Cento e cinquenta! – responde ela.
– Vô não moça. prefiro ir com o guarda que só cobra 10.