Estava Lula nadando no lago Paranoá e começa a se afogar. Grita por socorro e, milagrosamente, é salvo por três compadres que estavam pescando. Agradecido, Lula disse que eles poderiam lhe pedir qualquer coisa.
Um deles, um gaúcho, falou:
– Bah… Meu filho trabalhava na fábrica de sapatos e perdeu o emprego. Quero um trabalho para ele, tchê.
– Está mais do que feito! – disse o presidente.
Outro, do Piauí, reclamou que era analfabeto e queria aprender a ler.
– A sua vaga na escola já está garantida! – respondeu Lula.
O terceiro era o Zé Botina, um mineirinho:
– Ieu quero um interro di estadista, com sarva de tiro, frô, banda de música e tudo, tudo mais!!!…
Estupefato, Lula perguntou:
– Você é tão novo Zé!!!… Por que essa preocupação com a morte?!
E o caipira:
– Uai, qui qui é qui o sinhô acha que vai cuntecê cumigo quando ieu chega lá im Minas e saí nus jorná que sarvei o Lulla de morrê afogado???…