A loira gostosona ia se jogar no mar, no cais do porto do Rio de Janeiro, quando apareceu um marinheiro.
– Moça, não faça isso!!!!!
– Vou me jogar, minha vida é uma droga!
– Não faça isso! Olha, meu navio está de partida para a Europa. Por que você não vem comigo e pensa melhor? Se, chegando lá, você ainda quiser se matar, pelo menos terá conhecido a Europa.
A loira achou a proposta razoável e seguiu com ele para um bote salva-vidas, onde viajaria clandestinamente.
Durante duas semanas ele a visitava à noite trazendo comida, água e transava com ela. Comida, água e crau. Até que um dia o capitão fez uma inspeção nos botes e descobriu a loira. Ela, sem saída, lhe contou a verdade:
– Olha, eu estou aqui, seguindo para a Europa, porque um marinheiro me trouxe. Todas as noites ele me traz comida e água, e como agradecimento eu dou para ele. E vai ser assim até chegarmos à Europa… Ainda falta muito?
– Não sei, moça. Mas, pelo que me consta, esta é a barca que faz a travessia Rio–Niteró.